domingo, 21 de março de 2010

Inquietude (Iraci Sartori)

Sinto que as palavras estão cá dentro,
Mas de alguma forma há uma trava que as impedem de sair.
Há em mim, algo que tem necessidade de explodir.
As palavras estão num crescente,
É como se elas trabalhassem dia e noite, secretamente!

Palavras, palavras!
Por que me perturbam no silêncio?
Diz a sagrada escritura: “falar é prata, ouvir é ouro”.
Então por quê?
Se o ouro é melhor?

Ás vezes o silêncio me irrita, às vezes o silêncio me acalma...

Penso, quanta hipocrisia há nas palavras!
Mas, quanta ternura e consolo elas também nos oferece.

Sei que já me perdi, até aqui.
Não era nada disso que pretendia dizer.
Ah, deixa pra lá, façamos silêncio!
Deixarei as palavras trabalhando internamente,
Até que possam ser verdadeiras e brilhantes como prata!

sexta-feira, 19 de março de 2010

Sentimentos (Iraci Sartori)




















Já não sinto ódio, já não sinto dor e as lágrimas já não caem mais.
Não sei se é tristeza ou apenas tédio,
A hora não passa, tudo não passa.
Lembro-me que amanhã será um novo dia e que tudo poderá ser diferente,
E se não for...

Sinto saudades de tantas coisas.
Penso que a infância não devia passar.
Quanta estripulia... Que pena!

Penso que o beijo escondido foi o melhor
E que todos os outros beijos deveriam ter este sabor.

Que bom o abraço amigo
E aquela amiga louca
Tempo bom!

Saudade, muita saudade,
Saudade de tudo.
Mesmo que o tudo,
Seja tão pouco.