segunda-feira, 6 de março de 2017

A menina e a flor

Nascera ali, próxima a uma calçada
Era ela regada todos os dias por contemplação
Era a menina alçada pela esperança
Que cultivava a flor com sublime dedicação

A beleza exalava vida
A menina contemplava o belo
A flor, uma espécie de saída
Havia em ambas um elo

E era a flor e era a menina
No começo um frágil galho
Na fragilidade um atalho
E mais tarde antitoxina

Cúmplices, ambas precisavam de rega
A flor de água
A menina
De amor

Iraci Sartori





segunda-feira, 7 de março de 2016




Espírito Carnavalesco (Moacyr Scliar)

“Ensaios da escola de samba Mocidade Alegre atrapalham sono de moradores da região.”
Cansado, ele dormia a sono solto, quando foi bruscamente despertado pela esposa, que o sacudia violentamente.
– Que aconteceu? – resmungou ele, ainda de olhos fechados.
– Não posso dormir. – queixou-se ela.
– Não pode dormir? E por quê?
– Por causa do barulho – ela, irritada: - Será possível que você não ouça?
Ele prestou atenção. De fato, havia barulho. O barulho de uma escola de samba ensaiando para o carnaval: pandeiros, tamborins… Não escutara antes por causa do sono pesado. O que não era o caso da mulher. Ela exigia providências.
– Mas o que quer você que eu faça? perguntou e, agora, também irritado.
– Quero que você vá lá e mande eles pararem com esse barulho.

- Por que você não vai lá reclamar do barulho, você que está incomodada!


- Então ta, eu vou lá reclamar, ou vou chamar a policia!


Então foi lá e disse: pessoal, por favor, dá pra vocês pararem com esse barulho?


E eles nem ligaram e continuaram tocando.


Depois, o marido irritado também foi: pegou o pau e bateu nos homens que estavam tocando, só assim os homens pararam com o barulho.Aí ele voltou para casa e ele respondeu para sua mulher:


-Meu amor está tudo resolvido, agora nós podemos dormir em paz!

Final criado pela aluna Priscila Késsia Souza Magalhães

 (9º ANO A)
_________________________________________________________________________________             
Outro final
            - Quero que você vá lá e mande eles pararem com esse barulho!
- Ha, há, quem, eu?
-Isso mesmo você.
 Ele enraivado saiu de sua casa e foi ao bar, bebeu todas por horas, tava nem ai para o sono de sua esposa, então ele chega a casa.
-O que é isso? Por que demorou? Mandou aquela escola calar a boca?
-Eu não, estava no boteco tomando todas.
-O que disse? Seu traste!
- Isso mesmo! Alias isso é problema seu.
Ele saiu da sala de sua casa e foi dormir novamente, ela estressada, nervosa sem sono não aguentou foi pra escola de samba no dia seguinte, chegando a escola irritada chegou gritando...
-VOCES NÃO TÊM OQUE FAZER? QUERO DORMIR, NÃO AGUENTO MAIS .
            Todo mundo ficou espantado com a reação da mulher, assim chega o presidente da escola para saber o que estava acontecendo.
- Senhora o que foi?
-To irritada com vocês seus bagunceiros.
- Você uma moça linda, corpo perfeito para uma musa e reclamando do samba?
-Isso mesmo: não tenho paz, não consigo nem dormir...
 O presidente da escola a chama em sua sala pra entrar em um acordo. Minutos depois de levar conselho e sermão, ela se tocou que o estava fazendo era errado.
 Então ela voltou pra sua casa chorando por ter pedido sua batalha. Dias depois o seu marido estranhou por que não estava reclamando,..
-Ué, o que foi que você está assim?
- Dá licença que não é da sua conta!
Ele saiu de sua casa, bravo, e foi pro boteco tomar todas.
Ela ficou pensando, pensando na proposta que recebeu e foi pra escola de samba conversar com o presidente.
-Quero participar da escola.
-Sim, claro.
E assim ela ficou contente, então ele  perguntou:
-Você Sabe dançar?
-Não.
-Vixe, vamos treinar! Você vai ser nossa musa tem um belo corpo...
Com tempo ela aprendeu e descobriu que tem um espírito carnavalesco dentro de si, e assim ela estava arrasando. E ela gostou da escola de samba já não queria sair de lá, chegando a casa contou pra seu esposo.
-Amor eu sou uma musa do carnaval.
-Han, o que você, kkkkkk.
-sim sou eu.
Ele morrendo de rir, rebaixando-a, até que ele falou que era para ficar em casa pra fazer serviço, ela estressou mandou ele embora. E assim ela foi ao desfile na avenida arrasou e a escola ganhou por vários anos em primeiro lugar. E a musa comprou uma nova casa em frente a sua escola de samba e muito feliz com seu trabalho e solteira...
 Enquanto isso o seu ex-marido virou um pé rapado, bêbado reclamando que perdeu sua mulher por bobagem e ele morreu por arrependimento. 

Aluno: Hugo Luciano Andrade  (9º ANO A)

      
  


Escola Estadual Tancredo de Almeida Neves Março de 2016


sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Efêmero



O vento de ontem não é o mesmo de hoje,
Nem o mar permanece igual quando navegado,
A certeza torna-se incerta no amanhã,
Basta uma palavra, um gesto, um pensamento e o próprio tempo contribuem para o efêmero.
Conhecemos pessoas que vem e que ficam,
Outras que, vem e passam e que por alguns instantes alegraram a nossa existência,
Deixam em nosso coração a sensação que poderia permanecer mais.

Mas, a vida providencia a efemeridade
Tristeza? Às vezes!
Entretanto, me acostumei ao efêmero.
A vida também me ensinou a entender as quimeras interrompidas pelo acaso ou destino.
o que sei, é que caminho, a paciência e a fé é o que resta.
Talvez algumas das efemeridades  da vida ainda venha trazer a primavera.

 Autora- Iraci Sartori

sábado, 17 de janeiro de 2015

A primeira

Acordei cedinho e como de costume fui fazer a higiene matinal. Mas, ao entrar ao toalete, abria-se uma a porta que dava para um pequenino jardim que plantei. Então a vi, era a primeira, Tão Bela e cheia de orvalho, o que aumentou mais ainda o seu esplendor. 
Rosa, suave rosa.
Vi então minha vida...
Plantei e floriu. No entanto, quanto plantei e não germinou.
Veio a tempestade e matou os brotos que poderiam dar coloridos diferentes a minha vida.Outras vezes, escolhi mudas erradas e elas germinaram; muitas produziram apenas espinhos e outras se tornaram urtigas.
Quantas vezes, as "pragas" atacaram o meu plantio, e boas mudas se foram.
Mas hoje, diante Dela, algo que eu achava que há muito perdi, sacudiu em meu peito.
Novamente, escolherei as mudas e sementes que certamente florirão o jardim da minha vida.

Autora- Iraci Sartori

domingo, 10 de novembro de 2013

Aprendi com as Primaveras a me deixar cortar para poder voltar sempre inteira.
(Cecília Meireles)

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Canção do Sonho Acabado

Já tive a rosa do amor
- rubra rosa, sem pudor.
Cobicei, cheirei, colhi.
Mas ela despetalou
E outra igual, nunca mais vi.
Já vivi mil aventuras,
Me embriaguei de alegria!
Mas os risos da ventura,
No limiar da loucura,
Se tornaram fantasia...
Já almejei felicidade,
Mãos dadas, fraternidade,
Um ideal sem fronteiras
- utopia! Voou ligeira,
Nas asas da liberdade.
Desejei viver. Demais!
Segurar a juventude,
Prender o tempo na mão,
Plantar o lírio da paz!
Mas nem mesmo isto eu pude:
Tentei, porém nada fiz...
Muito, da vida, eu já quis.
Já quis... mas não quero mais...
Cecília Meireles

domingo, 13 de outubro de 2013

OS DEGRAUS




Não desças os degraus do sonho
Para não despertar os monstros.
Não subas aos sótãos - onde
Os deuses, por trás das suas máscaras,
Ocultam o próprio enigma.
Não desças, não subas, fica.
O mistério está é na tua vida!
E é um sonho louco este nosso mundo...
Mario Quintana