domingo, 13 de maio de 2012

Eu sei II


No último poema que escrevi, pintei a vida tão triste e tão amarga
que fiquei com cisma de mim. 
Gostaria que entedessem que o que escrevo é libertação
E que amo a vida, amo-a  como uma canção.

Canção,
hora triste,
hora alegre,
hora serena,
hora agitada.

Danço conforme seu ritmo,
às vezes tento mudá-lo, mas 
a tentativa é em vão. 

Assim sigo...

Como toda mulher, já sonhei os sonhos mais ternos e lindos,
Desses muitos, mas muitos mesmos, eu realizei,
Outros naufragaram no mar da vida,
Vi os indo embora, e não pude salvá-los.

Mas, quero nesse poema pintar a vida de forma bela:
Imagine a beleza das flores,
Imagine a beleza das cores,
Sinta a canção que fala de amores,
Sinta o vento, esqueça o tempo,
Perceba o luar, olhe as estrelas,
Escute os passáros,
Escute o teu coração,
Faça a sua oração,
Pois, a Vida, caro leitor...
É tudo de bom!

Iraci Sartori

Um comentário:

  1. Boa noite Ira!
    Vim conhecer seu blog e agradecer por seguir meu blog.
    Gostei muito de suas escritas. Nem tudo o que escrevemos corresponde ao que realmente estamos sentindo. Por isso liberte-se e deixe sua mente fluir sempre.
    Parabéns por tão belo blog.
    Tenha uma semana feliz e abençoada.
    Bjokas...da Bia!!!
    http://pequenosgrandespensantes.blogspot.com.br/2012/07/era-uma-vez.html

    ResponderExcluir